• Acessibilidade na Web
  • Aumentar letra
  • Diminuir letra
  • Letra normal
Assista a websérie
GEÓLOGO

Por Francine Silveira
 
A Geologia ainda é pouco conhecida pelo grande público, mas já desperta a curiosidade nos vestibulandos. Jovens que hoje se preparam para cursar uma faculdade vêm buscando conhecer um pouco mais sobre a profissão, atentos à crescente oferta de vagas e à boa remuneração no mercado de trabalho.

O estudo reforçado de disciplinas, como química, física e biologia, além de grande aptidão pelo trabalho de campo, são pré-requisitos para a formação de um bom profissional da área. Mesmo com tamanha exigência, a carreira de geólogo nunca esteve tão em evidência.

De acordo com dados da Associação Profissional de Geólogos do Estado do Rio de Janeiro, o salário inicial de um Trainee, com dois anos de formado, é de R$ 3,5 mil por mês. No caso dos profissionais de nível Sênior, 10 anos de atuação no mercado, os vencimentos podem ultrapassar os R$ 9 mil.

Para apresentar um pouco melhor a profissão, o Conexão Aluno preparou uma entrevista especial com um dos principais especialistas do Brasil, o geólogo Juarês José Aumond. Ele é professor doutor há 42 anos da Fundação Universidade Regional de Blumenau (FURB) e tem uma vasta experiência no mercado, com passagens por inúmeras empresas mineradoras de Santa Catarina, na Região Sul do Brasil, como Mineração e Cimento Vale do Itajaí SA (SC), Aurora e Mineração Tabatinha, Cerâmica e Mineração Portobello e Auropaula Mineração, além de ter atuado como consultor para cerca de 100 empresas espalhadas por todo o país.


Conexão Aluno (CA) - Quais são os principais conhecimentos que o profissional da Geologia precisa ter?

Juarês Aumond - O geólogo tem que ter uma formação profissional eclética, isto é, ter bons conhecimentos das ciências básicas, como química, matemática, biologia, física, geografia, entre outras. Na geologia, ele pode se especializar em meio ambiente, mapeamento geológico, prospecção de minerais, paleontologia, desastres ambientais, rochas, minerais, recuperação de áreas degradadas, geoquímica (distribuição e ocorrência dos elementos químicos), geologia de engenharia (implantação de estradas, pontes, hidrelétricas etc.), aerofotointerpretação, entre muitas outras áreas específicas.


CA – Que atividades você desenvolve atualmente?

Juarês Aumond – Atualmente, desenvolvo na universidade pesquisas em recuperação de áreas degradadas, desenvolvimento regional e planejamento urbano. Faço palestras e atividades de extensão. Dedico-me também às mudanças climáticas e ao impacto sobre a sociedade humana, colaborando com as equipes das Defesas Civis do Vale do Itajaí. Faço prospecção de minerais e trabalho como consultor para empresas de mineração e na área do meio ambiente e economia mineral.


CA - Há muitas empresas no mercado que necessitam desse profissional?

Juarês Aumond - Durante muitas décadas, os governos não investiram na formação de geólogos. Consequentemente, hoje faltam geólogos para atender as demandas nacionais e de empresas de Meio Ambiente, Petróleo, Geologia de Engenharia, Mapeamentos geológicos, Geotecnia, Paleontologia, Indústria de transformação Mineral e Desastres Ambientais.


CA - O campo de trabalho para os jovens recém-formados em Geologia é amplo e promissor?

Juarês Aumond - Um recém-formado dificilmente fica sem contrato de trabalho. A escassez de geólogos e os problemas gerados por políticas públicas erradas nas áreas urbanas (áreas ambientalmente frágeis ocupadas), bem como a falta de detalhamento geológico do território nacional, são alguns dos fatores que exigem mais profissionais especializados nas áreas da geologia.


CA - Grandes investimentos estão sendo feitos no âmbito da construção civil no país, assim empregos estão sendo gerados para profissionais com diferentes formações. Isso inclui os geólogos?

Juarês Aumond - Na área de construção civil, o geólogo trabalha em geotécnica, geologia de engenharia, diagnóstico dos solos e prospecção de materiais de construção. Muitas obras de engenharia civil, inclusive de grande porte, foram perdidas ou tiveram um custo de construção muito maior do que o necessário por falta de um diagnóstico correto dos solos e inadequação de sua localização geológica. O geólogo é o primeiro profissional a avaliar uma área antes de começarem as obras.


CA - Outra área que está intimamente ligada aos profissionais da Geologia é o setor de exploração e produção de petróleo e gás natural, compreendendo que a principal fonte de energia do planeta hoje é o combustível fóssil. Como os profissionais de Geologia trabalham neste campo?

Juarês Aumond - Os recursos minerais não renováveis, como petróleo, carvão e gás ainda constituem as principais fontes energéticas do mundo hoje. O geólogo trabalha na prospecção, mapeamento de novas fontes e nas pesquisas do detalhamento e avaliação técnica e econômica desses jazimentos. Ao geólogo compete descobrir, avaliar as reservas e definir se esses jazimentos são técnica e economicamente viáveis. Como é um trabalho que envolve várias áreas do conhecimento, como petrografia, mineralogia, física, meio ambiente, entre outros, os geólogos criam uma grande sinergia entre si e com outros profissionais que trabalham na área.


CA - Muitos profissionais dizem que o mercado de petróleo e gás ainda é novo no Brasil, se comparado a outros países, e defendem que seria necessário trazer profissionais estrangeiros para trabalhar e desenvolver técnicas no país. Qual a sua opinião sobre isso?

Juarês Aumond - O mercado de petróleo não é novo no Brasil. Desde Monteiro Lobato, que ajudou na campanha “O Petróleo é Nosso”, o Brasil criou uma larga experiência em prospecção de petróleo em águas profundas e hoje é um grande produtor de petróleo. Penso que a vinda de profissionais estrangeiros sempre é benéfica ao profissional e ao Brasil, desde que tragam novos conhecimentos.


CA - Atualmente tem sido amplamente noticiado na grande mídia que o petróleo tende a ficar cada vez mais escasso no longo prazo. Logo, é possível fazer uma previsão de quanto tempo ainda temos desse recurso e qual seria a fonte substituta?

Juarês Aumond - Nos últimos quatro anos, os Estados Unidos desenvolveram uma nova tecnologia de microfraturamento de xisto em profundidade para geração de gás. Esta é uma importante fonte energética alternativa. O gás produzido com esse sistema, nos EUA, é 20% do custo do gás consumido no Brasil. Por volta do ano de 2015, eles poderão ficar independentes da importação de petróleo. Acredita-se que as principais reservas de petróleo do mundo já tenham sido descobertas. Eu não acredito nessa hipótese, porque com as mudanças climáticas, áreas que hoje não são pesquisadas devido à cobertura de gelo, como na Sibéria e no Alaska, entre muitas outras, poderão ainda conter grandes reservas de petróleo. No entanto, as mudanças climáticas exigirão cada vez mais o trabalho de geologia na busca de fontes de energia alternativa que emitam menos gases de efeito estufa, tais como as hidrelétricas, energia das marés, aerogeradores e energia solar. Essa deveria ser uma tarefa prioritária.


CA - Qual conselho você daria aos jovens que estão buscando uma profissão hoje e se interessam pela carreira de geólogo?

Juarês Aumond - Estudar muito as disciplinas básicas, como geografia, matemática, física, biologia, entre outras. Ler muito sobre as ciências da terra. E ter disciplina, disciplina e disciplina.

Compartilhar
Facebook Twitter
Redes Sociais da Conexão Escola
  • Facebook
  • Twitter
  • Youtube
  • Instagram
SEEDUC
Rua Professor Pereira Reis, 119, 1º andarSanto Cristo — Rio de Janeiro — RJ
DENÚNCIAS ANÔNIMAS
  • Disque Denúncia: 2253-1177
  • Alô Alerj: 0800 022 0008
  • Disque Direitos Humanos: 100